Repositório de recursos e documentos com interesse para a Genealogia

Logo

  • Primeiros passos em Genealogia: como começar, onde pesquisar, recursos disponíveis e outras informações.

  • Apelidos de família: de onde vêm, como se formaram.

  • Índices de passaportes, bilhetes de identidade, inquirições de genere e outros.

21 de maio de 2015

21 de maio de 2015 por Genealogia Fb comentários
Pode cada um de nós dizer, com rigor, de onde é?
Seremos apenas de onde nascemos? 

Portugallia et Algarbia quae olim Lusitânia
Mapa de Fernando Álvaro Seco

Por José Luís Espada Feio

Pode cada um de nós dizer, com rigor, de onde é? Seremos apenas de onde nascemos, muitas vezes fruto de um mero acaso ou de uma circunstância? Ou pertencemos também, e sobretudo, ao chão onde nasceram e viveram os nossos antepassados ao longo dos séculos e no qual deixaram a sua marca indelével?

Assim, serei só da Lisboa onde vim ao mundo ou também da Terra de Santa Maria onde no século XIII nasceu o primeiro dos meus antepassados Pimentéis? Ou de Bragança para onde foram na centúria seguinte? Ou da vila de Aldegalega de Riba Tejo onde 300 anos depois se fixaram os descendentes desse tal Martim Fernandes Pimentel?
Serei também de Évora, onde em 1713 nasceu o meu sexto avô Vicente Ferreira Godinho? e de Grândola, onde há 107 anos nasceu o meu avô paterno José Espada Feio? Ou de Cuba, de onde era natural o seu tetravô Bento de São Francisco Feyo? Ou de Alvito, onde nasceu o avô deste último no século XVII?

Serei igualmente de Sesimbra, onde em 1915 nasceu a minha avó paterna e antes dela todos os ascendentes de sua mãe por via materna até ao século XV? E de Lagos, de onde era natural seu avô Agostinho da Glória?
E de Melides, e de Azinheira dos Barros, e de Santa Margarida da Serra, e de São Francisco da Serra, e da Abela, e de Alcáçovas, e de Evoramonte, e de Machede, e de Cabeço de Vide, e de São Bento do Mato, e de Vera Cruz, e da Vidigueira, e de Vila de Frades, e de Alcácer do Sal, e de São Romão do Sado, e de Oiã, e de Meda de Mouros, e de Coja, e de Valezim, e de Vila Nova do Ceira, e de A-dos-Cunhados, e da Ameixilhoeira Grande, e de Carnide de Baixo, e da Golegã, e de Vila Nova da Barquinha, e de Santarém, e de Benavente, e de Benfica do Ribatejo, e de Glória do Ribatejo, e de Almeirim, e de Muge, e de Alpiarça, e de Salvaterra de Magos, e de Silves, e de Alvor, onde nasceram tantos outros meus avós ao longo de seis séculos?


Uma coisa é certa, dos milhares de antepassados que já localizei nenhum deles nasceu fora deste rectângulo à beira-mar plantado nos confins meridionais da Europa. Assim, pois, a minha terra é inequivocamente este Portugal todo, de norte a sul, das serras e das planícies, das aldeias e das cidades, do interior profundo ao litoral aberto ao grande oceano.

Publicado em:

1 comentário:

  1. Bom trabalho José Luís.. Acho engraçado que muitas terras que usas como referência, são também algumas percorridas pelos meus antepassados, tais como Azinheira de Barros, Vidigueira, S.Romão do Sado, Vila de Frades..

    ResponderEliminar

Biblioteca
Videoteca