Repositório de recursos e documentos com interesse para a Genealogia

Logo

  • Primeiros passos em Genealogia: como começar, onde pesquisar, recursos disponíveis e outras informações.

  • Apelidos de família: de onde vêm, como se formaram.

  • Índices de passaportes, bilhetes de identidade, inquirições de genere e outros.

16 de janeiro de 2016

16 de janeiro de 2016 por Genealogia Fb comentários
Tudo sobredito me incitou a que fizesse aqui este assento para que os que o lerem tenham entendido quão contrário nos foi em tudo este ano inimigo... é um sugestivo excerto do Pároco de Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova, que pode servir de denominação comum a estas notas deixadas nos registos paroquiais para nós. Mas porque nem tudo são tristezas e desgraças, o interlúdio poético, vindo de Celorico de Basto, faz o contraponto nestes relatos dos Repórteres do Passado. 



A Natureza


Gaspar Duguet - Paysage d’orage - © Museu das Belas Artes, Chartres

Eclipse do sol - Convento de S. Domingos, Porto - 21/8/1560
Era de mil e quinhentos e sessenta anos aos vinte e um do mês de Agosto uma quarta-feira junto das onze horas do dia foi o sol eclipse em tanto que a lua cobriu o sol de todo e foi feito noite e escuridão que apareceram as estrelas no céu e durou este eclipse um quarto de hora do dia ...escuridão
-rec por José António Reis

Cheias - Pico de Regalados, Vila Verde - 28/2/1623
Terça feira 28 de Fevereiro do ano de 1623 às dez horas do dia pouco mais ou menos veio uma chuva em espaço de meia hora pouco mais e fez tal enchente que levou a ponte de Agrela, e muitas outras, e quantos moinhos havia nas ribeiras e levou muitas uveiras, e sementeiras, e fez grandes quebradas em campos, e tal destruição que pessoas muito antigas afirmavam que não recordavam outra semelhante, nem quando fora o dilúvio de Cabaninhas, nem em dia de Santa Catarina que houvera 27 anos foi outra cheia muito grande porém que nenhuma chegara a esta, nem dera tanta perda, ad memorium feci - Padre Pedro de Sousa, abade.
-rec por António José Mendes

Neve e geada - Pico de Regalados, Vila Verde - Jan/1624
O mês de Janeiro de 1624 foi seco e todo ele geou mui grossamente, e a 11 de Fevereiro continuando a mesma geada cobriu tudo de muita neve, e dado que nos baixos se derreteu nos montes sempre esteve, e foi continuando caindo de dois em dois dias, e de três em três cobrindo tudo, e nos dezanove amanheceu toda esta terra coberta de mui grossa neve, dizem os mais antigos que lhe não recorda semelhante ano de neve, e geada, porque além de durar muito ordinariamente caía neve e geada juntamente, e nos dezanove que foi Domingo digo 19 de Fevereiro e a segunda feira cobriu tudo de neve, e com ela jogaram aqueles dias as laranjadas* e quinta feira 11 de Abril cobriu outra vez tudo de neve porém logo se desfez no mesmo dia, e foi muito bom ano de pão e vinho.
-rec António José Mendes
*laranjadas - jogo/brincadeira associada ao entrudo e que consistia em atirar laranjas uns aos outros.

Tempestade - Pico de Regalados, Vila Verde - Dez/1641
No mês de Dezembro de 1641 no descente da lua, nevou, e choveu muitos dias com tempestade desfeita com ventos de poente; na primeira oitava de Natal de noite, houve grandes ventos, chuveiros com trovões, no dia seguinte que foi sexta feira pelas duas da tarde pouco mais ou menos, começou uma trovoada com muita saraiva, mui grossa, intrometida com algumas pedras do tamanho de bugalhos pequenos, e logo com outras maiores que os bugalhos grandes, outras tamanhos como ovos e muitas tamanhos como ovos de pata, isto sem encarecimento, porque quebraram os telhados, mataram galinhas, tordos, melros,?, mancaram ovelhas, e por cima do sombreiro fizeram inchaços na cabeça de algumas pessoas: durou este pedraço quase um quarto de hora, dizem pessoas antigas que nunca viram cair tão grandes pedras, isto para na verdade em fé e dela escrevi aqui - o abade Pedro de Sousa

-rec António José Mendes



Interlúdio Poético


Admirador de Camões - S. Romão do Corgo, Celorico de Basto, 1663

Um gosto que hoje se alcança,
Amanhã já não o vejo;
Assim nos traz a mudança
De esperança em esperança
E de desejo em desejo.
(da redondilha "Sôbolos rios que vão")

Horas breves de meu contentamento
Nunca imaginei quando vos tinha,
Que vos visse mudadas tão asinha
Em tão compridos anos de tormento.

As minhas torres, que fundei no vento,
o vento as levou que as sostinha;
Do mal que me ficou a culpa é minha,
Pois sobre cousas vãs fiz fundamento.
(do soneto  "Horas breves de meu contentamento")
-rec por Manuela Alves




Guerra da Sucessão Espanhola

 Filipe V e Luis José I, duque de Vendôme, comandando as forças Franco-Espanholas 

Morreu o ano de 1704 - Salvaterra do Extremo, Idanha a Nova, 31/12/1704
Aqui fez termo e deu fim o infeliz e infausto e sempre digno de ser chorado (de todo Portugal) o ano de mil e setecentos e quatro, em o qual, no primeiro dia de Maio, entrou, por Salvaterra da Beira, Filipe Quinto, com um exército de Castelhanos e Franceses, tão infeccionado e apestado que a todas as povoações a que chegou com este pestífero contágio infeccionou; e mais que todos a esta Vila, que sitiou e conquistou, aonde se deteve dezoito dias; porque, tanto que nela o seu exército entrou, o seu pestífero contágio começou, com tantas vivas que, na freguesia de Sta. Maria, Matriz desta Vila, morreram trezentas e sessenta e uma pessoas grandes, que enterrou a tumba da Misericórdia na freguesia e, não havendo já nela covas, encheram o tabuleiro de defuntos, e, depois deste, o Adro ao longo da Igreja, com tal modo como, hoje em dia, se vai continuando. Na casa da Misericórdia, a esta Igreja anexa, foram tantos os pobres e necessitados a que a casa deu mortalha e sepultura, que não se acha hoje, no seu cemitério, lugar para enterrar nenhum defunto. Na Sra. da Vitória, também anexa, hospital que foi dos Padres Capuchos, se enterraram, no cemitério que ali se acha (com minha licença), muita gente de Marvão que, nas azenhas e casas das fazendas à roda, faleceram, aonde em cobertores e paninhos os traziam seus parentes e amigos, até que no tal cemitério os enterravam e cobriam. Pois se fizermos menção dos meninos, anjinhos e inocentes pelos quais se começou este contágio acharem os que morreram nesta Vila tantos, e com tão grande excesso que já não cabem no Claustro do Convento. Tudo sobredito me incitou a que fizesse aqui este assento para que os que o lerem tenham entendido quão contrário nos foi em tudo este ano inimigo, pois nele ficamos sem pão, sem gados, sem fazendas, só com temores, sobressaltos e ameaços de morte, a cada passo. Como melhor contarão os que deste ano escaparem àqueles que, com curiosidade lho perguntarem. Dezembro, trinta e um, de mil e setecentos e quatro.
Padre Carrilho de Sequeira
-rec António José Mendes


Invasões Francesas


Artilharia Francesa - Fonte da imagem

Memorandum - Lordelo do Ouro, Porto, 29/3/1809
Aos vinte, e nove dias de Março pelas 9 oras da manham deste dia infelizmente introu huma coluna do ezercito frances por esta freguezia de Lordelo matando todas as pessoa que incontrava não somente dentro de suas casas, mas tambem fora dellas, saqueando-as e roubando-as ao mesmo tempo, e fazendo todo o género de hostilidades, e mandando eu proceder na averiguação das pessoas, que morrerão pertencentes á esta minha freguezia, e que erão meos freguezes, que todos forão sepultados pellos campos, e caminhos desta mesma freguesia por ordem do governo francês, então dominante; achei serem os seguintes. Digo aos vinte, e nove de Março de mil oito centos, e nove. [segue-se a lista das vítimas]
ADPRT, Registos Paroquiais, fregª de Lordelo do Ouro, concº do Porto, Livro O-1, f. 21, 22 e 23.
- rec José António Reis


Batalha na serra do Carvalho - Aveleda, Braga, 20/3/1809
Aos vinte dias do mez de Março do anno de mil e oitocentos e nove, entrou o ezercito da Nação Francesa a roubar as igrejas e nellas a fazerem muitos ultrajens roubar as cazas por cuaze toda esta provincia do Minho houve hua grande vatalha na serra do Carvalho na qual falecerão as pessoas seguintes freguezes desta freguezia de Santa Maria de Aveleda a saber (...)

- rec António José Mendes





O flagelo dos incêndios - Andrães, Vila Real  - 31.8. 1688

Em o último dia do mês de Agosto do ano mil e seiscentos e oitenta e sete, às duas horas da tarde, se levantou neste lugar de Andrães um fogo tal, que bem exprimia a figura do dia do juízo, pois dentro de menos de uma hora, levantando-se com a primeira casa do lugar, da parte direita conforme a igreja, se queimaram trinta e oito casas, fora os quinteiros, dos bens que elas tinham e frutos recolhidos e veio a parar por misericórdia de Deus e virtude do Santíssimo Sacramento a que se acudiu com preces na casa da renda, que ficou ilesa, com mais quatro casas entre meio, que eram de telha, sem poder valer humana indústria alguma, nem trabalho muito dos moradores e lugares vizinhos de Constantim, Mosteirô, Fronteita, São Cibrão, Galegos e Carro Queimado e por ser tão notável para memória e Louvor do Santíssimo Sacramento fiz este, die ut supra.
 
  PT/ADVRL/PRQ/PVRL03/002/022 de Andrães Vila Real Imagem 3
  Transcrição de António José Mendes







Os textos aqui reunidos foram originalmente partilhados no Facebook.

Publicado em:

0 comentários:

Enviar um comentário

Biblioteca
Videoteca