Repositório de recursos e documentos com interesse para a Genealogia

Logo

  • Primeiros passos em Genealogia: como começar, onde pesquisar, recursos disponíveis e outras informações.

  • Apelidos de família: de onde vêm, como se formaram.

  • Índices de passaportes, bilhetes de identidade, inquirições de genere e outros.

9 de janeiro de 2017

9 de janeiro de 2017 por Maria do Céu Barros comentários
«A história genealógica do uomo qualunque não atende só às elites nem ao cursus honorum dos indivíduos» - Oliveira Marques

Já lá vai o tempo em que a pesquisa genealógica interessava apenas a «betinhos, jovens ou adultos, membros de famílias pequeno-nobres ou que o pretendiam ser, bem vestidos, penteados e perfumados», «bandos de famílias» à procura de provas de descendência de emigrantes cujas fortunas pudessem reclamar, ou a historiadores, interessados, sobretudo, nos Livros de Linhagens e nas famílias reais. Com a «democratização» do acesso aos documentos, assim como a crescente valorização da história local e das populações, são cada vez menos os que julgam ser a Genealogia apanágio de nobres e de burgueses endinheirados.

Família da Abrunhosa - Fonte


Na senda de várias publicações, que temos vindo a fazer, sobretudo destinadas aos iniciantes, partilhamos aqui um artigo publicado na Revista de História da Faculdade de Letras do Porto (2003), do historiador A.H. de Oliveira Marques, que, para além de constituir uma leitura agradável, julgamos de muito interesse para genealogistas, iniciantes e não só. Além do autor partilhar a sua própria experiência no estudo das suas origens, deixa-nos ainda variadas dicas sobre aspectos que vão desde as fontes a consultar até como se deve, e não se deve, escrever a nossa história genealógica.

História Genealógica do Homem Comum: micro-história ou macro-história?


Demarcando-se de algumas práticas tradicionais dos "genealogistas", o Autor defende uma história genealógica cujo objecto seja não já apenas a alta nobreza e a família real, mas antes as famílias comuns, os antepassados de cada um de nós. Para tal, além das fontes por excelência, os registos notariais, recomenda o estudo de fontes tão diversas como memórias de família, agendas domésticas, livros de contas e correspondência pessoal. Nesse tipo de trabalho, "grande História" e "pequena história" entrecruzam-se e completam-se, ultrapassando a velha dicotomia história das estruturas versus trajectos pessoais e biografias.

Publicado em: , ,

0 comentários:

Enviar um comentário

Biblioteca
Videoteca