Repositório de recursos e documentos com interesse para a Genealogia

Logo

  • Primeiros passos em Genealogia: como começar, onde pesquisar, recursos disponíveis e outras informações.

  • Apelidos de família: de onde vêm, como se formaram.

  • Índices de passaportes, bilhetes de identidade, inquirições de genere e outros.

11 de outubro de 2018

11 de outubro de 2018 por Manuela Alves comentários

Entre as brumas do Passado, uma ascendência inesperada se perspectiva… satisfatoriamente documentada
Retomemos a genealogia que descobrimos na mensagem anterior, a partir de LUÍS MACHADO DE MIRANDA E  CUNHA. com uma breve nota sobre os meus décimos avós.
 
D. MARIA DE MIRANDA, baptizada em 5.6.1621 em S. Paio, Guimarães, tinha casado a primeira vez, em Vermoim- em 5.2.1640  com Pedro de Faria Mariz, filho de João de Almeida Faria e Madalena Mergulhão e desse casamento não houve geração.
MANUEL MACHADO CARMONA , filho bastardo de Francisco Machado Carmona, que instituiu o Morgado dos Machados Carmona de Barcelos, era neto de João Carmona Machado e de sua mulher Catarina de Faria.

Foram meus 11ºS avós TORCATO MACHADO DE MIRANDA II e sua 2ª mulher D. ISABEL DA COSTA DE SÁ, filha de Francisco Vaz de Brito, o Feijoeiro (+1646) e de sua mulher Maria da Costa, neta paterna de Brás Francisco, rico mercador, morador na Rua dos Gatos, e de sua mulher e neta materna de Manuel Nunes, ourives e mercador na Praça do Porto e de sua mulher Inês de Góis.
TORCATO MACHADO DE MRANDA  I,  meu 12º avô,  senhor da Quinta da Breia, casou a primeira vez com MARIA DE AZEVEDO, irmã de Jerónimo Amarante, abade de Santo André de Sobrado, filhos de Jerónimo Amarante de Matosinhos e de sua mulher Joana Gil, como consta do instrumento de quitação de herança. feito pelo abade a seu cunhado Torcato a 27.8.1585 (AMAP: Notarial n.º 61, fls. 154 v. a 155). Casou segunda vez com INÊS DE AZEVEDO, filha de Reinaldo de Azevedo e de sua mulher Margarida de Herédia, no tít.: Azevedos § 45, n.º 23 e de Vila Boas § 31, n.º 14 de Felgueiras Gaio e que foi a minha 12ª avó.
Em 27 Junho 1597,foi apresentado o prazo do Assento de Santa Maria de Vermoim anexa in perpetuum ao Mosteiro de Santa Maria Oliveira, feito em Braga aos 26 Junho por Gaspar Lopes Proença, escrivão da Câmara do Arcebispado no qual consta ser TORCATO MACHADO DE MIRANDA I seu foreiro.
TORCATO MACHADO DE MIRANDA I é 4º filho de CRISTÓVÃO MACHADO DE MIRANDA,  senhor da Quinta da Breia, casado com LUCRÉCIA DA CUNHA GUSMÃO, meus 13ºS avós.  LUCRÉCIA DA CUNHA GUSMÃO é filha de DONA GUIOMAR NUNES DA CUNHA, irmã de Sixto da Cunha,  prior-comendatário do mosteiro de Santa Maria de Oliveira e de seu marido RUI GOMES, tít.: Cunhas § 65, n.º 14, na obra de Gaio.
E com estes meus avós vamos dar um saltinho até terras da Beira e encontrar raízes em gente que deixou pegadas – e que pegadas! – na história de Portugal, quer por bons, quer por maus motivos….
De D. Guiomar Nunes da CUNHA, irmã inteira de Sixto da Cunha ao 2º Senhor de Pombeiro, João Lourenço da Cunha e sua mulher
Um vínculo genealógico directo parece ligar o senhor de Pombeiro, João Lourenço da Cunha, e sua mulher, a famosa e tão detestada “Flor de altura” D. Leonor Teles, a Sixto da Cunha, prior-comendatário do mosteiro de Santa Maria de Oliveira a quem se deve o estabelecimento deste linhagem…de origem beirã em terras de Vermoim, Vila Nova de Famalicão, assim começava uma comunicação do Carlos Silva,num grupo de genealogia, amigo a quem muito devo nas minhas pesquisas genealógicas sobre o meu ramo de Famalicão.
E continuava:  A genealogia proposta por Felgueiras Gaio e por Domingos de Araújo Affonso parece  ser verdadeira, fazendo notar que apenas a ligação de Frei Diogo Alvares da Cunha a Isabel da Cunha, e a ligação de Isabel da Cunha a Inês da Cunha carecem de documentos, indicios, fontes externas, independentes, referências ou datas.
 
Segundo Gayo,  NUNO GONÇALVES DE GUSMÃO foi armado cavaleiro por D.Afonso V  na tomada de Arzila, desconhecendo ele, porém, a sua filiação.
Já o meu 17º avô, FREI DIOGO está bem documentado, pois é conhecido pelos nobiliários, que atestam a sua filiação, e pelos historiadores. As fontes históricas publicadas sobre a Ordem de Cristo no século XV confirmam que era comendador de Castelejo e Castelo Novo e os estudos publicados sobre a presença portuguesa em Marrocos confirmam sua presença em Ceuta entre 1415 e 1437. Em 1438 recebeu 15781 reis de soldo pelo seu serviço em Ceuta. A 19 de maio de 1426 esteve no capítulo geral de sua Ordem em Tomar.
Frei Diogo  é especialmente conhecido dos historiadores dos Descobrimentos por via do seu epitáfio (em S. Francisco da Covilhã) assim transcrito por Braamcamp Freire e outros, e que revela o empenho do Infante D. Henrique o Navegador e de seus homens em intervir nas ilhas Canárias: "Aqui jaz ho muyto honrado Cavaleiro Frey Diegalves da Cunha Comendador que foy de Castelejo e de Castelnovo ho qual foy na tomada de Cepta com o muyto alto e com o muyto excellente e muyto virtuoso Senhor Rey Dom Ioham da boa memoria & foi nas Ilhas de Canaria por mandado do muito honrado principe & muito virtuoso Senhor o Infante D. Henrique seu filho: o qual se finou na Era de 1460 annos."

Era filho de ÁLVARO VAZ DA CUNHA, filho único do 1º casamento de D.LEONOR TELES com JOÃO LOURENÇO DA CUNHA, 2º senhor de Pombeiro, e sua mulher D. BRITES DE MELO
Segundo Fernão Lopes, até à morte de D. Fernando, Álvaro da Cunha teve de usar o apelido Sousa, sendo apresentado na corte como um bastardo do mestre de Cristo, Lopo Dias de Sousa. Só a partir de 1384 recuperou a sua identidade e licença do mestre de Avis para herdar os bens do pai. Esteve ao lado do mestre de Avis na crise de 1383-85, tendo morrido de peste durante o regresso de Ceuta (1415).
LEONOR TELES DE MENESES, sobrinha do influente  João Afonso Telo de Meneses, conde de Barcelos, descendia por seu pai MARTIM AFONSO TELO DE MENESES do rei Fruela II das Astúrias e Leão e, por sua mãe ALDONÇA ANES DE VASCONCELOS, de Teresa Sanches, filha bastarda do rei Sancho I de Portugal.
Ainda muito jovem, Leonor casou com JOÃO LOURENÇO DA CUNHA, filho do 1º senhor de Pombeiro (da Beira, no concelho de Arganil) por doação de D. Afonso IV em 1355, com quem teve um filho, Álvaro da Cunha.
Narra Fernão Lopes Elrei D. Fernando. como era muito costumado de ir ver amiúde a infanta sua irmã, quando viu D. Leonor em sua casa. louçã e aposta e de bom corpo, pero que a de antes houvesse bem conhecida, por então mui afincadamente esguardou suas fermosas feições e graça: entanto que deixada toda benquerença e contentamento que de outra mulher poderia haver, desta se começou a namorar maravilhosamente.     
 João Lourenço da Cunha , ciente da situação, optou por abandonar sua mulher, preferindo o divórcio aos perigos que poderia correr, sujeitando-se à cólera do rei, e refugiou-se em Castela[1].

Assim, depois de anulado o primeiro matrimónio por motivos de consanguinidade, a 15 de Maio de 1372.  casou-se D. Leonor Teles com o rei D. Fernando I de Portugal., em Leça do Balio, às escondidas do Reino.
E como o meu objectivo não é dar-vos uma lição de Historia mas de vos transmitir as minhas memórias das investigações a que me entreguei de alma e coração sobre as nossas raízes familiares em tempos de aposentação, tentando despertar o vosso interesse vou terminar esta breve apresentação da minha 19ª avó, D. Leonor Teles, colocando na sua boca as palavras de uma autora contemporânea que a biografou:


É justo que me apresente. O meu nome é Leonor Teles de Meneses, conhecida por Flor de Altura por aqueles que, feridos pelos meus cantos de sereia, ficaram presos na rede das minhas palavras e da minha beleza. Para as sombras justiceiras que me visitaram nos meus anos de prisão fui a Dama Maldita. Ainda mais cruéis e certeiras, asseguraram-me que ninguém me recordaria no futuro e que se o fizesse me contemplaria debaixo do estigma da desonra. Cumpriram-se os seus presságios. Certo é que fui adúltera, traí, intriguei e até manejei as adagas de outros… era esse o negócio das cortes. O meu rei e marido, D. Fernando I de Portugal, carecia de coragem e ambição. Justo o que sobrava ao meu amado João Fernandes, conde de Andeiro. Tive então que actuar por minha conta e risco e agora é altura de me justificar. Volto pois agora, para vos explicar o porquê do meu destino. Tudo me foi dado. Tudo me foi tirado. É hora da História me fazer justiça. Por isso quis contar a minha verdade. De uma mulher que quis alcançar os céus e acabou por se perder neles. Lisboa, no ano do Senhor de dois mil seis Leonor Teles, Rainha de Portugal [2]
 
[1] Segundo Fernão Lopes, João Lourenço da Cunha foi dos que ajudaram o mestre de Avis (embora de forma ambígua), tendo falecido de doença durante o cerco de Lisboa de 1384.
[2]  Eu, Leonor Teles A Dama Maldita , HIERRO, MARIA PILAR QUERALT,  A Esfera dos Livros
Publicado em: ,

0 comentários:

Enviar um comentário

Biblioteca
Videoteca