Repositório de recursos e documentos com interesse para a Genealogia

Logo

  • Primeiros passos em Genealogia: como começar, onde pesquisar, recursos disponíveis e outras informações.

  • Apelidos de família: de onde vêm, como se formaram.

  • Índices de passaportes, bilhetes de identidade, inquirições de genere e outros.

13 de outubro de 2018

13 de outubro de 2018 por MC Barros comentários

Por Filipe Pinheiro de Campos

Um pai republicano - quase sempre detido pelas ideias revolucionárias -, casado com uma senhora de boas gentes, piedosa e devota, e ele, formado em Coimbra e grande proprietário num concelho do distrito de Santarém, teve quatro filhos. Possivelmente - dizia a minha avó com alguma malícia - nascidos de todas as vezes que o pai teria estado em liberdade, ao que o dito progenitor colocou nomes numa base onomástica claramente republicana. 


A minha bisavó, as tias e as ditas senhoras


A primeira, de nome Liberdade, viria a casar, mas esse enlace cedo se revelou atribulado com frequentes traições do marido; a segunda, por nome Pátria, morreu solteira e quase centenária; a terceira, Democracia, acabou os dias da sua vida num hospital psiquiátrico. O único varão, por nome Portugal, foi exilado político. 

Amigas de colégio e de adultas de minha bisavó paterna, nasceram por volta da década de 90 de Oitocentos tendo eu apenas conhecido a D. Pátria, muito velhinha, encurvada e debilitada mas onde existia algum bom humor.

11 de outubro de 2018

11 de outubro de 2018 por Manuela Alves comentários

Entre as brumas do Passado, uma ascendência inesperada se perspectiva… satisfatoriamente documentada
Retomemos a genealogia que descobrimos na mensagem anterior, a partir de LUÍS MACHADO DE MIRANDA E  CUNHA. com uma breve nota sobre os meus décimos avós.
 
D. MARIA DE MIRANDA, baptizada em 5.6.1621 em S. Paio, Guimarães, tinha casado a primeira vez, em Vermoim- em 5.2.1640  com Pedro de Faria Mariz, filho de João de Almeida Faria e Madalena Mergulhão e desse casamento não houve geração.
MANUEL MACHADO CARMONA , filho bastardo de Francisco Machado Carmona, que instituiu o Morgado dos Machados Carmona de Barcelos, era neto de João Carmona Machado e de sua mulher Catarina de Faria.

Foram meus 11ºS avós TORCATO MACHADO DE MIRANDA II e sua 2ª mulher D. ISABEL DA COSTA DE SÁ, filha de Francisco Vaz de Brito, o Feijoeiro (+1646) e de sua mulher Maria da Costa, neta paterna de Brás Francisco, rico mercador, morador na Rua dos Gatos, e de sua mulher e neta materna de Manuel Nunes, ourives e mercador na Praça do Porto e de sua mulher Inês de Góis.
TORCATO MACHADO DE MRANDA  I,  meu 12º avô,  senhor da Quinta da Breia, casou a primeira vez com MARIA DE AZEVEDO, irmã de Jerónimo Amarante, abade de Santo André de Sobrado, filhos de Jerónimo Amarante de Matosinhos e de sua mulher Joana Gil, como consta do instrumento de quitação de herança. feito pelo abade a seu cunhado Torcato a 27.8.1585 (AMAP: Notarial n.º 61, fls. 154 v. a 155). Casou segunda vez com INÊS DE AZEVEDO, filha de Reinaldo de Azevedo e de sua mulher Margarida de Herédia, no tít.: Azevedos § 45, n.º 23 e de Vila Boas § 31, n.º 14 de Felgueiras Gaio e que foi a minha 12ª avó.
Em 27 Junho 1597,foi apresentado o prazo do Assento de Santa Maria de Vermoim anexa in perpetuum ao Mosteiro de Santa Maria Oliveira, feito em Braga aos 26 Junho por Gaspar Lopes Proença, escrivão da Câmara do Arcebispado no qual consta ser TORCATO MACHADO DE MIRANDA I seu foreiro.
TORCATO MACHADO DE MIRANDA I é 4º filho de CRISTÓVÃO MACHADO DE MIRANDA,  senhor da Quinta da Breia, casado com LUCRÉCIA DA CUNHA GUSMÃO, meus 13ºS avós.  LUCRÉCIA DA CUNHA GUSMÃO é filha de DONA GUIOMAR NUNES DA CUNHA, irmã de Sixto da Cunha,  prior-comendatário do mosteiro de Santa Maria de Oliveira e de seu marido RUI GOMES, tít.: Cunhas § 65, n.º 14, na obra de Gaio.
E com estes meus avós vamos dar um saltinho até terras da Beira e encontrar raízes em gente que deixou pegadas – e que pegadas! – na história de Portugal, quer por bons, quer por maus motivos….
De D. Guiomar Nunes da CUNHA, irmã inteira de Sixto da Cunha ao 2º Senhor de Pombeiro, João Lourenço da Cunha e sua mulher
Um vínculo genealógico directo parece ligar o senhor de Pombeiro, João Lourenço da Cunha, e sua mulher, a famosa e tão detestada “Flor de altura” D. Leonor Teles, a Sixto da Cunha, prior-comendatário do mosteiro de Santa Maria de Oliveira a quem se deve o estabelecimento deste linhagem…de origem beirã em terras de Vermoim, Vila Nova de Famalicão, assim começava uma comunicação do Carlos Silva,num grupo de genealogia, amigo a quem muito devo nas minhas pesquisas genealógicas sobre o meu ramo de Famalicão.
E continuava:  A genealogia proposta por Felgueiras Gaio e por Domingos de Araújo Affonso parece  ser verdadeira, fazendo notar que apenas a ligação de Frei Diogo Alvares da Cunha a Isabel da Cunha, e a ligação de Isabel da Cunha a Inês da Cunha carecem de documentos, indicios, fontes externas, independentes, referências ou datas.
 
Segundo Gayo,  NUNO GONÇALVES DE GUSMÃO foi armado cavaleiro por D.Afonso V  na tomada de Arzila, desconhecendo ele, porém, a sua filiação.
Já o meu 17º avô, FREI DIOGO está bem documentado, pois é conhecido pelos nobiliários, que atestam a sua filiação, e pelos historiadores. As fontes históricas publicadas sobre a Ordem de Cristo no século XV confirmam que era comendador de Castelejo e Castelo Novo e os estudos publicados sobre a presença portuguesa em Marrocos confirmam sua presença em Ceuta entre 1415 e 1437. Em 1438 recebeu 15781 reis de soldo pelo seu serviço em Ceuta. A 19 de maio de 1426 esteve no capítulo geral de sua Ordem em Tomar.
Frei Diogo  é especialmente conhecido dos historiadores dos Descobrimentos por via do seu epitáfio (em S. Francisco da Covilhã) assim transcrito por Braamcamp Freire e outros, e que revela o empenho do Infante D. Henrique o Navegador e de seus homens em intervir nas ilhas Canárias: "Aqui jaz ho muyto honrado Cavaleiro Frey Diegalves da Cunha Comendador que foy de Castelejo e de Castelnovo ho qual foy na tomada de Cepta com o muyto alto e com o muyto excellente e muyto virtuoso Senhor Rey Dom Ioham da boa memoria & foi nas Ilhas de Canaria por mandado do muito honrado principe & muito virtuoso Senhor o Infante D. Henrique seu filho: o qual se finou na Era de 1460 annos."

Era filho de ÁLVARO VAZ DA CUNHA, filho único do 1º casamento de D.LEONOR TELES com JOÃO LOURENÇO DA CUNHA, 2º senhor de Pombeiro, e sua mulher D. BRITES DE MELO
Segundo Fernão Lopes, até à morte de D. Fernando, Álvaro da Cunha teve de usar o apelido Sousa, sendo apresentado na corte como um bastardo do mestre de Cristo, Lopo Dias de Sousa. Só a partir de 1384 recuperou a sua identidade e licença do mestre de Avis para herdar os bens do pai. Esteve ao lado do mestre de Avis na crise de 1383-85, tendo morrido de peste durante o regresso de Ceuta (1415).
LEONOR TELES DE MENESES, sobrinha do influente  João Afonso Telo de Meneses, conde de Barcelos, descendia por seu pai MARTIM AFONSO TELO DE MENESES do rei Fruela II das Astúrias e Leão e, por sua mãe ALDONÇA ANES DE VASCONCELOS, de Teresa Sanches, filha bastarda do rei Sancho I de Portugal.
Ainda muito jovem, Leonor casou com JOÃO LOURENÇO DA CUNHA, filho do 1º senhor de Pombeiro (da Beira, no concelho de Arganil) por doação de D. Afonso IV em 1355, com quem teve um filho, Álvaro da Cunha.
Narra Fernão Lopes Elrei D. Fernando. como era muito costumado de ir ver amiúde a infanta sua irmã, quando viu D. Leonor em sua casa. louçã e aposta e de bom corpo, pero que a de antes houvesse bem conhecida, por então mui afincadamente esguardou suas fermosas feições e graça: entanto que deixada toda benquerença e contentamento que de outra mulher poderia haver, desta se começou a namorar maravilhosamente.     
 João Lourenço da Cunha , ciente da situação, optou por abandonar sua mulher, preferindo o divórcio aos perigos que poderia correr, sujeitando-se à cólera do rei, e refugiou-se em Castela[1].

Assim, depois de anulado o primeiro matrimónio por motivos de consanguinidade, a 15 de Maio de 1372.  casou-se D. Leonor Teles com o rei D. Fernando I de Portugal., em Leça do Balio, às escondidas do Reino.
E como o meu objectivo não é dar-vos uma lição de Historia mas de vos transmitir as minhas memórias das investigações a que me entreguei de alma e coração sobre as nossas raízes familiares em tempos de aposentação, tentando despertar o vosso interesse vou terminar esta breve apresentação da minha 19ª avó, D. Leonor Teles, colocando na sua boca as palavras de uma autora contemporânea que a biografou:


É justo que me apresente. O meu nome é Leonor Teles de Meneses, conhecida por Flor de Altura por aqueles que, feridos pelos meus cantos de sereia, ficaram presos na rede das minhas palavras e da minha beleza. Para as sombras justiceiras que me visitaram nos meus anos de prisão fui a Dama Maldita. Ainda mais cruéis e certeiras, asseguraram-me que ninguém me recordaria no futuro e que se o fizesse me contemplaria debaixo do estigma da desonra. Cumpriram-se os seus presságios. Certo é que fui adúltera, traí, intriguei e até manejei as adagas de outros… era esse o negócio das cortes. O meu rei e marido, D. Fernando I de Portugal, carecia de coragem e ambição. Justo o que sobrava ao meu amado João Fernandes, conde de Andeiro. Tive então que actuar por minha conta e risco e agora é altura de me justificar. Volto pois agora, para vos explicar o porquê do meu destino. Tudo me foi dado. Tudo me foi tirado. É hora da História me fazer justiça. Por isso quis contar a minha verdade. De uma mulher que quis alcançar os céus e acabou por se perder neles. Lisboa, no ano do Senhor de dois mil seis Leonor Teles, Rainha de Portugal [2]
 
[1] Segundo Fernão Lopes, João Lourenço da Cunha foi dos que ajudaram o mestre de Avis (embora de forma ambígua), tendo falecido de doença durante o cerco de Lisboa de 1384.
[2]  Eu, Leonor Teles A Dama Maldita , HIERRO, MARIA PILAR QUERALT,  A Esfera dos Livros
por MC Barros comentários
O programa Archive GetLinks é uma aplicação Java que permite descarregar livros em formato digital disponíveis na Internet. A aplicação foi desenvolvida por Carlos Leite.





Em Abril 2017, as duas aplicações Archivo e Digitarq GetLinks, foram combinadas numa só: Archive Getlinks. Pode agora fazer tudo com uma única ferramenta. 






I M P O R T A N T E
INSTALAR O JRE (Java Runtime Environment)
Se não completar este passo, o GetLinks poderá não funcionar.


Para executar estas aplicações é necessário ter o Java Runtime Environment (JRE), versão 8u131 ou superior, instalado no computador.



  • Windows: para instalar o JRE, ou a sua versão mais recente, entrar em http://java.com/pt_BR/ e seguir as instruções na página (se tiver um bloqueador de popups pode ser necessário permitir os popups para o site java.com).
  • MAC: se obtém um erro ao executar a aplicação, ou se esta não iniciar, deve actualizar a versão do Java. Veja aqui  como fazê-lo no Mac.
  • LINUX: terá de instalar a versão 8u131 ou superior do Java.



Archivo GetLinks 1.04.9

Nova versão corrige corrige problema com o carregamento de livros do FamilySearch.

11-10-2018


Com esta aplicação pode descarregar livros dos seguintes arquivos:




INSTALAR

Não é necessário instalar o GetLinks. Apenas necessita fazer o seguinte:

1 - Crie uma pasta no seu computador, por exemplo no Ambiente de Trabalho. Mude o nome dessa pasta para GetLinks.
2 - Coloque o ficheiro Zip que descarregou no passo anterior, dentro da nova pasta GetLinks.
3 - Clique com o botão direito do rato sobre o ficheiro zip e, de seguida, clique em "Extrair aqui".

Para executar o programa:

Clique duas vezes sobre o ficheiro ArchiveDownload.exe OU no ficheiro ArchiveDownload.jar.


Ambos os ficheiros correm a aplicação, mas no sistema Windows é preferível usar o executável uma vez que esse informa caso falte instalar o Java ou se a versão instalada for demasiado antiga. Se ao executar a aplicação o Windows apresentar um aviso sobre a aplicação não ser reconhecida, clique em "Executar mesmo assim".

Aspecto da aplicação


INSTRUÇÕES


ON/OFF

Clique no botão Download para o colocar em ON. Enquanto estiver vermelho nada será descarregado. Assegure-se, por isso, de que está verde antes de iniciar um download. 
Pode utilizá-lo para rapidamente interromper o download de imagens.



As opções 

Por predefinição, o GetLinks guarda as imagens na sua própria pasta, ou seja, na mesma pasta onde está o ficheiro ArchiveDownload.jar. Se desejar guardá-las noutra localização, defina-a no menu Opções, sub-menu Opções. 
Escolha a localização para download em "Pasta de Download", clicando no botão com os três pontinhos. Neste exemplo, criamos uma pasta PAROQUIAIS dentro da pasta do GetLinks, para guardar todos os livros, mas pode usar qualquer outra localização, incluindo uma pen ou disco externo.

Ainda em Opções, desmarque a opção "Carregar com Zip", caso deseje descarregar livros do Archeevo novo, imagem a imagem, em vez de ficheiros zip. Esta opção não tem qualquer efeito no Archeevo antigo, uma vez que esse não oferece a opção para descarregamento de livros inteiros.

Aqui pode também alterar o número de imagens a descarregar em simultâneo. A opção "Saltar Ficheiro Existente" evita a repetição do download de imagens que já existem na pasta.

Se tem uma conta no FamilySearch, pode também introduzir aqui esses dados.



Paroquiais nos Arquivos Portugueses - O tombo.pt é seu amigo

Para todos os arquivos, cujos livros estão listados no tombo.pt.
  • Entre no tombo.pt e navegue até à paróquia que lhe interessa, à página onde estão listados os livros, por exemplo http://tombo.pt/f/gmr35, e copie o link dessa página.
  • No GetLinks, cole esse link na caixa de texto e pressione o botão GO. Assegure-se que o botão Download está ON (verde).
  • Na caixa de diálogo que surge, aguarde até aparecer a árvore com todos os livros. 

  • Clique na primeira opção para desmarcar tudo e, de seguida, seleccione os que lhe interessam.
  • Clique no botão Iniciar.
  • Logo que o processo termine, o download será iniciado. Se ainda tinha o botão download em OFF, coloque-o em ON.
Nota: Caso surja uma mensagem de erro, verifique se colou o link correcto.
O programa vai carregar as imagens de todos os livros sequencialmente e iniciar o download.

Cada livro será guardado na sua própria pasta, dentro da pasta Baptismos, Casamentos ou Óbitos, consoante for o caso. Estas, por sua vez, serão guardadas numa pasta com o nome da freguesia. O GetLinks cria todas essas pastas automaticamente, para não ter de se preocupar em organizar as imagens.

Esta é a forma ideal para descarregar paroquiais dos arquivos portugueses, mesmo que apenas queira descarregar 1 livro. Pode, no entanto, usar o link directo de um livro do arquivo pretendido, em vez do link do tombo.pt. Para isso, siga o mesmo procedimento do passo seguinte.


Outros arquivos ou outro tipo de livros

Siga este passo para o FamilySearch, Direzione Generale per gli Archivi, Iviewer (Arquivo Distrital de Vila Real), Centro de Conhecimento dos Açores.

Siga também este passo para descarregar outros livros, por exemplo, processos da Inquisição, Inquirições de Genere, Bilhetes de Identidade, etc. Os livros das Memórias Paroquiais, não podem ser processados de uma vez, ou seja, tem de ser por Tomos.

Note que, nestes casos, o GetLinks apenas descarrega um livro de cada vez e não cria, nem organiza, automaticamente, as imagens em pastas. Terá de o fazer manualmente. Pode optar por fazê-lo antes de iniciar o download ou, se preferir, fazê-lo depois de ter descarregado o livro:

Organizar antes de iniciar o download: 
Abra as Opções e introduza o caminho para a pasta desejada. Se a pasta não existir, ela será criada. No exemplo abaixo, usamos o caminho que já lá estava e adicionamos mais 3 pastas :
\Pencelo\Baptismos\1537-1670
 Como estas últimas não existem, o GetLinks perguntará se desejamos criá-las.


Organizar depois de ter feito o download do livro:
Abra a pasta onde foram guardadas as imagens e faça a sua organização manualmente.

Para descarregar

  • Na página do arquivo em questão, localize o livro pretendido e abra-o no browser. 
  • Copie o link e cole-o na caixa de texto do GetLinks.
  • Clique no botão GO.


FamilySearch - Outras Funcionalidades

Pode carregar vários livros de uma vez, quando pesquisa no catálogo do FamilySearch, como é o caso deste exemplo.

  • Copie o link do catálogo e cole-o na caixa de texto do GetLinks
  • Clique no botão GO e aguarde pelo carregamento dos livros
  • Clique na primeira opção para desmarcar tudo e, de seguida, seleccione os que lhe interessam.
  • Clique no botão Iniciar.
  • Logo que o processo termine, o download será iniciado. Se ainda tinha o botão download em OFF, coloque-o em ON.
Pode descarregar apenas as primeiras páginas de um dado livro. Por exemplo, no link acima aparecem vários processos de casamento e, normalmente, nas primeiras páginas surge a informação relevante. Para não ter de descarregar tudo, faz sentido haver a possibilidade de descarregar apenas a primeira página de cada processo, de modo a poupar espaço em disco e tempo.
Seguir os seguintes passos:
  • Coloque o botão de Download em OFF
  • Copie o link do catálogo e cole-o na caixa de texto do GetLinks
  • Clique no botão GO e aguarde pelo carregamento dos livros
  • Clique na primeira opção para desmarcar tudo e, de seguida, seleccione os que lhe interessam.
  • Clique no botão Iniciar.
  • Aguarde pelo preenchimento da grelha.
  • Seleccione todas as imagens (na grelha clique com o botão direito do rato e escolha "Selecionar tudo", ou então use as teclas CTRL+A ou CTRL+T)
  • Carregue no botão stop da grelha (parar os downloads). As linhas ficarão todas a vermelho.


  • Seleccione uma linha qualquer da grelha. Carregar em Ctrl-1 para selecionar apenas a 1ª folha de cada livro, Ctrl+2 para selecionar duas, e assim sucessivamente. 
  • Coloque o botão Download em ON


  • Serão descarregadas apenas as primeiras páginas


Ooops, enganei-me! Como é que paro o download?

Para abortar um processo clique no botão Download para o pôr em OFF (de verde passará a vermelho).


Antes de iniciar outro processo carregue no botão Limpar para remover os livros pendentes.



Onde estão as imagens?

Após terminado o download, as imagens estarão guardadas na pasta definida em Opções. Se não definiu uma pasta de download, as imagens estarão na mesma pasta onde tem o GetLinks.

Pode ir directo do GetLinks para a pasta de download clicando no botão "Abrir Pasta de Downloads"



Eliminar subpastas

A partir da versão 1.04.6, o GetLinks passou a incluir mais um botão que pode ser usado para eliminar subpastas criadas pela aplicação. Isto é particularmente útil, por exemplo, para descarregar os pedidos de bilhetes de identidade. Com a versão anterior cada pedido de BI ficava numa pasta diferente, o que não era muito cómodo para pesquisar. 

Para descarregar os pedidos de bilhete de identidade, deve-se seguir os seguintes passos:
  1. Seleccionar o tomo desejado no Digitarq, em Nível: Unidade de Instalação, por exemplo; http://digitarq.adptg.arquivos.pt/details?id=1058335 e copiar o link.
  2. No GetLinks colocar o botão download em OFF.
  3. Clicar no botão GO e seleccionar os itéms desejados.
  4. Quando os  links estiverem carregados na grelha, seleccionar todas as linhas (CTRL+A ou CTRL+T) e carregar no botão 'Remover Sub-Pastas'




5 - Começar o download.

Desta forma, ao descarregar, fica tudo na mesma pasta.



Download parcial de livros 

Funciona apenas com livros dos arquivos Digitarq

Para descarregar apenas algumas imagens, em vez do livro inteiro:
Coloque o botão Download em OFF (vermelho)
Cole o link do livro Digitarq na caixa de texto do GetLinks
Pressione o botão GO e, logo de seguida, pressione o botão Pausar. O carregamento de imagens na grelha será interrompido.

Mova a barra de deslocamento até à imagem pretendida. Enquanto vai movendo a bolinha, o número das imagens vai aparecendo logo acima da barra de deslocamento. 

Quando chegar à imagem pretendida, clique novamente no botão Pausar/Recomeçar

O carregamento das imagens na grelha será retomado a partir da imagem escolhida na barra de deslocamento.
Coloque o botão Download em ON (verde). Todas as imagens apresentadas na grelha serão descarregadas.
Como podem ver na imagem a seguir, as imagens entre a 2 e 60, não foram carregadas na grelha, pelo que não serão descarregadas.




Mais Dicas

Se fechar a aplicação os links são preservados. Ao reabrir a aplicação, o download será retomado. Pode interromper colocando o botão Download em OFF.

Pode abrir uma imagem descarregada através de duplo click na grelha.



Possíveis problemas

1 - Nada funciona
  • Instale ou actualize o JAVA. O GetLinks não funcionará enquanto não o fizer. Vá para o primeiro passo e siga as instruções.
2 - Não aparece nada na grelha
  • Poderá haver uma falha na rede ou o servidor do arquivo estar em baixo. Abra o url do livro no seu browser e certifique-se que consegue visualizar o livro pretendido.
3 - Tudo funciona normalmente, o nome das imagens aparece na grelha, mas nenhuma imagem é descarregada.
  • Poderá não ter permissões de escrita para a pasta de download. Abra a respectiva pasta e certifique-se que pode criar pastas e ficheiros dentro dela.
  • Se estiver a guardar os downloads numa pen ou disco externo, verifique se o mesmo está acessível. Alguns discos externos auto hibernam e perdem a ligação ao computador. Se o GetLinks não o detectar, não poderá guardar as imagens, pelo que o download não será efectuado.
4 - Outros problemas que possam surgir, coloque a sua questão nos comentários mais abaixo, ou no grupo do Facebook associado a este blog.


Problemas com o download de imagens do FamilySearch

14-04-2018

Recentemente o FamilySearch introduziu restrições ao download  de imagens, o que é normal dado o grande número de pessoas que acedem aos seus servidores. Após o download de cerca de 40 imagens, o utilizador é colocado em espera por um período de tempo variável.
Trata-se de uma configuração do próprio FamilySearch e não do GetLinks.

A solução: deixe o GetLinks aberto no mesmo livro e ao fim de algum tempo o download das imagens seguintes reiniciará automaticamente. 
Originalmente publicado em 1/4/2015


por Manuela Alves comentários

Há cerca de um ano fui confrontada com um surpreendente volte-face na minha genealogia, pelo lado paterno da minha Mãe, ao ler uma Inquirição de Genere  de Bento Machado de Sá Miranda, de Vermoim, Famalicão, datada de 1731.
 Logo nas primeira páginas caiu-me o coração aos pés quando li, preto no branco, que o habilitando era filho de António Machado Tinoco (primeira vez que vi os dois apelidos juntos) e neto paterno de Luís Machado de Miranda e Cunha, natural de Barcelos, residente em Figueiredo e de Catarina Tinoca, natural da Breia, Vermoim.
Há anos que eu tinha como “pai” de António Machado  (simplesmente  Machado) Luís Machado de Miranda, morador na Quinta da Breia, em Vermoim, e um genearca ( como o Carlos Silva apelida o seu parente João da Costa Azevedo, de Valmelhorado, Castelões também meu antepassado, por vias travessas) mas não das suas legítimas mulheres…
 A “poupança” nos apelidos, habitual nos párocos da zona, tinha levado à minha errada atribuição mas, como mais  tarde que nunca, tratei de refazer as pesquisas que me levaram até aos Machados Carmona de  que tinha registos na minha base de dados, sem grandes investigações,  pois não tinha neles interesse directo.
Eis senão quando me dou conta que estava a encontrar nomes conhecidos de outros ramos, mas da linha materna de minha Mãe Concretamente, fui parar a Rafael da Gama de Azevedo, meu 9º avô, filho de Domingos da Gama de Azevedo, natural do Engenho de S. Tiago, termo da Baía e de Maria de Castro Jácome Aranha ( outro Aranha para me assombrar, filha de um lente de Leis de Coimbra, gente fina é outra coisa para arranjar dados)) de Viana do Castelo. A jusante fui parar ao meu tetravô José Pinto Correia de Lacerda, de Sedielos,
 Provavelmente deixarei esta investigação, ainda por completar, para algum descendente meu,  a quem recomendo que previamente leie e medite o soneto do Abade de Jazente (1719-1789), antes de procurar ir além dos genealogistas…Presto-lhes a minha homenagem, mas não sou francamente “atenta, veneradora e muito menos obrigada” 

Segundo episódio   Janeiro de 2018
Como não gosto de ter pedras no sapato, acabei por  deitar mãos à obra  e ir aprofundar mais um pouco estes entrelaçamentos genealógicos…já que há anos andava na peugada do  meu antepassado Rafael da Gama, como puderam ver no primeiro episódio.
 Mas para memória futura e para que os meus descendentes futuros interessados pela genealogia nunca desanimem deixo aqui mais uns pormenores
Assim começava eu um post no fórum do Geneall em Julho de 2012:
 “Procuro informações sobre os antepassados de Maria de Azevedo da Gama, filha de Rafael da Gama (não consigo perceber qual a freguesia de naturalidade no registo de casamento ) que casou em Mesão Frio, Santa Cristina em 16.6.1712, com Manuel Pinto Monteiro.  Eu penso (mas não passa de um palpite) que ela é aparentada com a mulher de Diogo Guedes Osório, que consta da base de dados do Geneall, Ana Maria Pimenta.
 Diogo Guedes Osório foi padrinho da segunda filha do casal Manuel Pinto/Maria de Azevedo, e uma sua filha ilegítima casou com o filho mais velho do mesmo casal. Deixo a ligação para o registo de casamento, na esperança de alguém conseguir decifrar a naturalidade de Rafael da Gama”
 Pude contar com respostas de solícitos confrades mas o resultado saldou-se na decifração da naturalidade  Vetorino  e de uma preciosa lição sobre a sua grafia antiga Vitorino, ficando a duvida se seria das Donas ou de Piães, ambas localidades de Ponte de Lima e na descoberta do casamento de Diogo Guedes Osório com Ana Maria Pimenta em Viana do Castelo  e nos títulos de Felgueira Gayo aos nubentes ( tit. Azevedos §67 N26 tomo 3 imagem 145, ) tít "Costas" § 117 N9 (infelizmente a imagem 383 do tomo 12 onde se encontra este § e N está truncada e, por isso, não pude  prosseguir na busca), do Felgueiras Gaio on line. Do meu Rafael da Gama nem rasto… E sem registos on line de Ponte de Lima , tudo ficou parado neste ramo à espera de melhor oportunidade-
Em Junho de 2017 , mas agora no nosso grupo Genealogia FB, voltei ao assunto “Em busca de Rafael da Gama fins século XVII” e agora sim com resultados bastante satisfatórios que me dispenso de repetir, pois os amigos que se interessam por genealogia são todos membros desse grupo e podem acompanhar lá a conversa…
 E termino com esta engraçada coincidência :
 O meu 9º avô Rafael da Gama de Azevedo é tio materno do Capitão José Barreto da Gama e Castro, casado em Barcelos, em 1713, com D. Maria Miranda de Gusmão (1668-1731), irmã mais nova de meu 10º avô  Luís Machado de Miranda e Cunha, portanto, seu cunhado.

8 de outubro de 2018

8 de outubro de 2018 por MC Barros comentários

Por Rafael Ferrero-Aprato


Um trabalho que me parece de grande valor para quem pesquise antepassados das Caldas da Rainha no século XVI: "Uma vila que gravita em redor de uma instituição assistêncial: a recuperação do património urbanístico do Hospital das Caldas até 1533", dissertação de Mestrado de Miguel Duarte (2008), trabalho de uma qualidade excecional. 

Plano da vila das Caldas da Rainha


Apesar de também se focar noutros aspetos do desenvolvimento da cidade e do seu hospital termal, inclui uma detalhada reconstrução da sua ocupação nas primeiras décadas do século XVI, tendo o autor construído mapas com os nomes dos habitantes, as suas casas e profissões. Tudo a partir de fontes de arquivos locais que não estarão ao dispor de investigadores de outras terras. Falo em particular do Volume II, mas o Volume I também pode ser útil para entender a antiga distribuição de paróquias dos atuais concelhos de Caldas, Óbidos e outros em redor, que era bastante confusa. 

O trabalho pode ser descarregado aqui: https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/695

kwADLeiria

25 de setembro de 2018

25 de setembro de 2018 por Manuela Alves comentários
Continuação da parte I

Dos Sequeira Machado aos Sequeira Lobo 

1. Teodósia de Miranda Machado, filha de Manuel Machado de Miranda e sua mulher Maria Marques Ferreira, nasceu no Porto, S. Nicolau casou com João de Sequeira Monteiro, filho de Baltasar de Sequeira, natural do Porto, e sua mulher D. Maria dos Santos Nogueira (+ Vermoim, Assento da Igreja, 30.10.1706, viúva). D. Teodósia faleceu, viúva na Quinta da Igreja Velha em  2.11.1755.
Tiveram
2. Alexandre de Sequeira Machado nasceu em Vermoim, lugar da Igreja e foi baptizado a 7.7.1696,  sendo Padrinhos o vigário Ambrósio Pereira e a avó paterna.  Morreu a 17 .11. 1743 em Vermoim, Quinta da Igreja.
Casou em 30.5.1724 em S. Tiago de Castelões com Josefa Joana da Costa de Azevedo, filha primogénita legitima de João da Costa Azevedo, senhor da Quinta de Valmelhorado, em Castelões e da  Quinta da Breia, em Vermoim e de Maria Teixeira, casados em 20.3.1694, em Castelões.
Filhos:
2.1. João José de Sequeira Machado que segue
2.2. Bernardo de Sequeira Miranda nasceu a 27.4.1725 em Vermoim, Quinta da Igreja
2.3. Simão António de Sequeira Machado, Padre,  nasceu a 28.10.1726, Vermoim, lugar da Igreja
2.4. Isidoro nasceu a 12.7.1728, lugar da Igreja
2.5. Maria Angélica nasceu a 27.9.1730 em Vermoim, Quinta da Igreja
2.6. Joana Angélica nasceu a 14 .8. 1734 em Vermoim, Quinta do Assento da Igreja

3. João José de Sequeira Machado nasceu a 22.6.1721 em Castelões e foi bap. a 29 .6. 1721, sendo padrinhos Alexandre Duarte Carvalho,  de Joane e Isabel de Azevedo, filha de João da Costa Azevedo, de Valmelhorado. Faleceu a 16.4.1794 em Vermoim,  na Casa da Igreja e foi sepultado na Capela da Casa.
Casou em  12.3.1757 em Famalicão, Mogege com Maria Joana Bernardes de Azevedo,  baptizada em Famalicão, Mogege, em 14.6.1720,  filha de Domingos Ferreira dos Santos, natural de Guimarães, S. Sebastião e Eugénia Bernardes de Azevedo Magalhães, nascida em Famalicão,  Joane.  D. Maria Joana faleceu viúva  a 21.6.1799 na Casa da Igreja e foi sepultada na Capela da Casa.
Filhos:
3.1. Francisco José de Sequeira, Padre  (*15.12.1757 , Mogege, lugar do Assento- + 10.6.1835, Vermoim, Quinta da Igreja Velha)
3.1 Maria Benedita de Sequeira Machado Miranda e Azevedo  que segue .
3.3 Luís de Sequeira Machado de Azevedo Gusmão ( * 14.2.1761, Vermoim, Quinta da Igreja- +18.12.1843 em Vermoim, Quinta da Florida e foi sepultado na Capela da Quinta. Era casado com D. Maria da Piedade, que morreu em  1.3. 1845 em Vermoim, lugar da Florida
3.4. João António (*5.6.1764, Mogege, lugar do Assento)
4. D. Maria Benedita de Sequeira Machado Miranda e Azevedo nasceu a  8.7.1759 na Quinta da Igreja, em Vermoim e foi baptizada a 16.7.1759, sendo padrinhos Luís Caetano, de Guimarães, casado com D. Maria e D. Maria Angélica, tia da baptizada. Casou a 8 .9.1773 em Famalicão, Vermoim com José Inácio da Silva de Figueiredo Lobo, filho de Manuel da Silva Soares e Ana Luísa do Socorro, nascido em Vila do Conde
Filhos :
4.1.Maria nasceu a 2 .7. 1776 em Vila do Conde 
4.2.Ana nasceu a 2.1.1778 em Vila do Conde
4.3.Maria Inácia de Sequeira nasceu a 21 .5. 1780 em Vila do Conde,  onde casou a 31.3.1807 com Vicente José dos Santos, o Pelicano, natural de Coimbra, viúvo de D- Luísa Micaela, falecida em Vila do Conde em 17.1.1807 e com quem tinha casado em 1775.
4.4.Joana Rita de Sequeira Machado Gusmão Lobo nasceu a 31.5.1783 em Vila do Conde,  morreu a 20 .5. 1838 em Vermoim, Igreja Velha.
4.5. João Inácio Lobo de Sequeira Machado, que segue  
4.6.José nasceu a 4.4.1789 em Vila do Conde.
4.7.Ana Paula de Sequeira nasceu a 30 .6. 1791 em Vila do Conde, R. de S. Bento
4.8. José Inácio de Sequeira Lobo nasceu a 4.3. 1794 em Vila do Conde
4.9. Joaquim Tomás de Sequeira nasceu a 7.3. 1796 em Vila do Conde, R. de S. Bento 

5 João Inácio  Lobo de Sequeira Machado nasceu a 7 .6. 1786 em Vila do Conde  e casou com Ana Narcisa Fonseca Campo Verde, filha de Manuel Carlos dos  Guimarães Bravo Sousa Fonseca Campo Verde e Ana Rosa de Almeida Fogaça Lapa, a 8 .6. 1812 em Vila do Conde, Azurara
Filhos:
5.1,João Inácio  Lobo nasceu a 19.8.1813 em Vila do Conde, Praça Velha
5.2 José Inácio de Sequeira Lobo nasceu em Vila do Conde que segue

6. José Inácio de Sequeira Lobo casou a 28.1.1836 em Famalicão, Vermoim com Maria Joaquina Ribeiro. filha de João José e Luzia Rosa Ribeiro,lavradores caseiros,  nascida em Vermoim, Lugar do Casal  Faleceu a 3.6.1880  na Igreja Velha e foi sepultado na  Capela da Quinta
Filhos :
6.1 João nasceu a 26.2.1836 em Vermoim, Igreja Velha e morreu a 26.5.1836 em Vermoim, Igreja Velha.
6.2 João Inácio de Sequeira Lobo nasceu a 26.7.1837 em Vermoim, Igreja Velha casou com Maria da Conceição Barbosa Dias (*22.12.1827, Vila do Conde) a 18.2. 1855 em Famalicão, Vermoim
Casou com Maria da Conceição, filha de Francisco Ferreira Barbosa e Ana Rita do Sacramento, era viúva do Dr. Francisco António da Silva Pinto, falecido na  Rua Nova, Póvoa de Varzim em 19.6.1853
Filhos de João Inácio de Sequeira Lobo e Maria da Conceição Barbosa Dias
6.2.1 José nasceu a 16.5.1857 em Póvoa de Varzim, Rua Nova
6.2.2  Maria nasceu a 7.7.1861 em Póvoa de Varzim, R. das Trempes
6.2.3 José Inácio da Sequeira Lobo nasceu a 3 Jun., 1864 em Póvoa de Varzim, Praça Nova do Almada
6.2.4 José Maria nasceu a 16.3. 1866 em Póvoa de Varzim, Praça Nova do Almada

6.3 José nasceu a 22.5.1839 em Vermoim, Igreja Velha e morreu a 10.6.1840 em Vermoim, Igreja Velha.
6.4 D. Ana da Piedade Sequeira Lobo nasceu a 4.10. 1840 em Vermoim, Igreja Velha; costureira, casou em 11.9.1876 em Vermoim com o mestre carpinteiro António de Castro Ferreira  nascido cerca 1853 em S. Martinho de Leitões c.g.
Foi mãe solteira de Clementina (*17.2.1867 - + 10.3.1898 ) e de Luís Sequeira Machado (*17.1.1868 , Igreja Velha - +18.1.1944, Vermoim ; em 1912, casado e carpinteiro tem registo de passaporte em Braga para o Rio de Janeiro)
6.5 José Maria (no bap. José Inácio) Ribeiro de Sequeira Lobo nasceu a 18.12.1842 em  Vermoim, Igreja Velha e faleceu, solteiro e vivendo de suas rendas , em 10.3.1898 em Vermoim, lugar de Além do Ribeiro
6.6 D. Emília Rosa de Sequeira Lobo nasceu a 12 .3.1845 em Vermoim, Igreja Velha e casou com Joaquim da Costa, proprietário e analfabeto
6.7 D. Clementina Adelaide (Clementina Joaquina no baptismo) de Sequeira Lobo  nasceu a 21.4.1847 em Vermoim, Igreja Velha; casou em 19.5.1881 em Vermoim com João Correia Palhares, ela, empregada na lavoura e ele lavrador. C.g.
6.8 Vicente de Sequeira Lobo nasceu a 23.11. 1849 em Vermoim, Igreja Velha. Casou  em Vermoim a 28.5.1873 com Maria Augusta Martins, nascida cerca de 1839 em Campeã, Vila Real. C.g.
6.9 Joaquim Tomás de Sequeira Lobo nasceu a 17.12.1855 em Vermoim, Quinta da Igreja Velha e faleceu no Lugar da Breia em 25.4.1882 ; casou em 22.4.1880 com Leonor da Costa ( * cerca 1845 S. Martinho do Vale- + 14.3.1883, Vermoim, lugar da Breia) legitimando pelo casamento 2 filhos, nascidos em  1875 e 1877. Terão ainda filhos nascidos após o casamento. O primogénito deste casal, criado de servir e analfabeto, casará em 1902 na freguesia de Carreira, Famalicão.
Biblioteca
Videoteca